Amar Jesus para poder amar o próximo, segundo Papa

1

É necessário estabelecer uma profunda amizade com Jesus para poder servir os outros. Isto é o que disse o Papa no sábado passado aos participantes da Assembleia Geral da Fraternidade Sacerdotal dos Missionários de São Carlos Borromeu, que nasceu há 25 anos do movimento Comunhão e Libertação.


Esta obra conta com 25 casas em 16 países em todo o mundo, 104 sacerdotes e 40 seminaristas, empenhados primariamente na missão paroquial e no ensino, com o testemunho – disse o Papa – da “fecundidade” do carisma de Dom Luigi Giussani.


E propriamente da “sabedoria cristã” de Dom Giussani, e do “seu amor a Cristo e aos homens, unidos indestrutivelmente”, surgiu a Fraternidade Sacerdotal, disse seu fundador e superior geral, Massimo Camisasca, em um breve discurso de saudação ao Papa.


Em particular, explicou que “a experiência da comunhão, da qual Dom Giussani foi um professor, levou-nos, desde o início, a escolher a vida em comum e, portanto, a casa como um lugar de irradiação da fé”.


Em seu discurso, Bento XVI afirmou, antes de tudo, que “o sacerdócio cristão não é um fim em si mesmo”. E frisou esta ideia dizendo que “foi querido por Jesus em função do nascimento e da vida da Igreja”.


“A glória e a alegria do sacerdócio consistem em servir a Cristo e seu Corpo Místico”, disse o Pontífice.


O Papa sublinhou a importância da oração vivida como “um diálogo com o Senhor ressuscitado” e “o valor da vida em comum”, não apenas em resposta às necessidades atuais, como a falta de padres, mas como “expressão do dom de Cristo que é a Igreja, (…) prefigurada na comunidade apostólica, que deu lugar aos presbíteros”.


Viver com os outros, observou, “aceitar a necessidade de conversão própria e contínua e, especialmente, descobrir a beleza deste caminho, a alegria da humildade, da penitência, e também da conversa, do perdão mútuo, do apoio de uns aos outros”.


Além de que a “vida em comum sem a oração” não é possível, também é verdade que é “imprescindível estar com Jesus para poder estar com os outros”.


“Este é o coração da missão. Em companhia de Cristo e dos irmãos, qualquer sacerdote pode encontrar a energia necessária para servir os homens, para atender as necessidades espirituais e materiais com que se encontra, para ensinar com palavras sempre novas, que vêm do amor, as verdades eternas da fé, das quais nossos contemporâneos também têm sede – concluiu.”