Evangelho do dia – Jo 8,31-42

2

Roxo. 4ª-feira da 5ª Semana Quaresma

    

Evangelho – Jo 8,31-42

Se o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres.


+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 8,31-42


Naquele tempo:

Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado:

‘Se permanecerdes na minha palavra,

sereis verdadeiramente meus discípulos,

e conhecereis a verdade,

e a verdade vos libertará.’

Responderam eles:

‘Somos descendentes de Abraão,

e nunca fomos escravos de ninguém.

Como podes dizer:

`Vós vos tornareis livres’?’

Jesus respondeu:

‘Em verdade, em verdade vos digo,

todo aquele que comete pecado é escravo do pecado.

O escravo não permanece para sempre numa família,

mas o filho permanece nela para sempre.

Se, pois, o Filho vos libertar,

sereis verdadeiramente livres.

Bem sei que sois descendentes de Abraão;

no entanto, procurais matar-me,

porque a minha palavra não é acolhida por vós.

Eu falo o que vi junto do Pai;

e vós fazeis o que ouvistes do vosso pai.’

Eles responderam então:

‘O nosso pai é Abraão.’

Disse-lhes Jesus:

‘Se sois filhos de Abraão,

praticai as obras de Abraão!

Mas agora, vós procurais matar-me, a mim,

que vos falei a verdade

que ouvi de Deus.

Isto, Abraão não o fez.

Vós fazeis as obras do vosso pai.’

Disseram-lhe, então:

‘Nós não nascemos do adultério,

temos um só pai: Deus.’

Respondeu-lhes Jesus:

‘Se Deus fosse vosso Pai,

vós certamente me amaríeis,

porque de Deus é que eu saí, e vim.

Não vim por mim mesmo,

mas foi ele que me enviou.

Palavra da Salvação.

Reflexão – Jo 8, 31-42


Em que consiste a liberdade? A resposta a esta pergunta sempre nos parece clara, mas só à primeira vista. O Evangelho de hoje nos mostra que os judeus pensaram que eram livres e, no entanto, não eram, porque existem muitas formas sutis de escravidão, sendo que as piores são as nossas tendências ao mal, as nossas imaturidades e as nossas fraquezas, e são piores porque brotam no nosso interior, nos enganando, porque pensamos que estamos fazendo a nossa vontade quando na verdade estamos cedendo aos nossos desejos, que não nos deixam ser livres. Somente permanecendo unidos a Cristo é que podemos vencer a nossa natureza e sermos verdadeiramente livres.