Igreja no Brasil tem novas diretrizes

1

* Por Dom Canísio Klaus, Bispo de Santa Cruz do Sul – RS

Nos dias 4 a 13 de maio, participei, em Aparecida do Norte, da 49ª Assembleia Geral da CNBB. Nesta assembléia aprovamos as Diretrizes para a Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para os anos de 2011 a 2015.

O ponto de partida das Diretrizes é o objetivo geral, definido por nós como Evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo.

A Igreja no Brasil, sempre fiel a Jesus Cristo e atenta à voz do Espírito Santo, reafirma mais uma vez a importância de perceber os sinais dos tempos e traçar metas específicas para a ação evangelizadora à luz da Sagrada Escritura e da Tradição.

A razão de se elaborarem novas Diretrizes a cada quatro anos responde à necessidade de se fazer frente aos novos desafios que vão surgindo com a mudança de época. Ao mesmo tempo se busca garantir a continuidade do processo de atualização dos planejamentos pastorais, tendo em vista a fidelidade à ação do Espírito numa realidade em constante transformação.

Diretrizes são indicações de rumos que apontam o caminho a seguir, abordando aspectos prioritários da ação evangelizadora. São princípios norteadores e urgências irrenunciáveis. Os planos de pastoral das dioceses, que daí decorrem, obedecem a um roteiro específico, contendo estudo e iluminação da realidade à luz da fé, objetivos, critérios e meios para a sua concretização na realidade diocesana.

As novas Diretrizes insistem nos quatro princípios evangelizadores desafiantes do Documento de Aparecida: missionariedade; conversão pastoral e pessoal; escuta e seguimento à Palavra de Deus; promoção e defesa da vida.

Portanto toda ação evangelizadora brota de Jesus Cristo e se volta para Ele e o Reino do Pai. Jesus é nossa razão de ser, origem de nosso agir, motivo de nosso pensar e sentir. Nisso se manifesta nosso discipulado missionário, seguindo nosso Mestre com fidelidade pelos caminhos do amor e da paz em busca de vida digna e plena. Não há, pois, como executar planejamentos pastorais sem antes pararmos e nos colocarmos diante de Jesus Cristo e em atitude orante, contemplativa, fraterna e servidora responder ao seu apelo veemente e renovado: “Vem e Segue-me”.

Que Nossa Senhora Aparecida, a mãe do povo brasileiro, nos acompanhe no processo de implantação das novas Diretrizes!