Maria Santíssima: um exemplo a ser seguido

2

* Por Dom Canísio Klaus, Bispo de Santa Cruz do Sul (RS)


No dia 02 de fevereiro, quando a Igreja celebrou a festa da Apresentação de Jesus no templo de Jerusalém, numerosas pessoas reverenciavam a Mãe das Águas, Nossa Senhora dos Navegantes. Na mesma oportunidade centenas de homens e mulheres se reuniam na basílica São Pedro de Roma, junto com o Papa Francisco, para celebrarem o Dia Mundial da Vida Consagrada. A data foi instituída por São João Paulo II em 1997, para homenagear as pessoas que consagram a sua vida ao serviço da Igreja e incentivar o surgimento de novas vocações à vida religiosa.


No início da homilia o papa convidou os presentes a fixarem a mente no ícone da Virgem Mãe, Maria, “que caminha com o Menino Jesus nos braços”, ao mesmo tempo que o leva ao encontro do povo. Comparando os braços da Mãe a uma escada, o Papa diz que é por ela que o Filho de Deus desce até nós. Por causa disso os católicos sentem um carinho todo especial para com a mãe de Jesus, venerando-a com diversos títulos. Entre estes estão Nossa Senhora dos Navegantes e Nossa Senhora da Candelária cujas festas celebramos no dia 02 de fevereiro e Nossa Senhora de Lourdes que celebramos no dia 11 de fevereiro.


Aos religiosos, o Papa recordou duas virtudes fundamentais da vida de Maria: a obediência e a sabedoria.


A obediência, conforme o Papa, foi fundamental para que Maria se sujeitasse à “Lei do Senhor”, assim como também foi fundamental para que Jesus levasse em frente o projeto do Pai: “Meu alimento é fazer a vontade do Pai” (Jo 4,34). Do mesmo modo os consagrados, ao se tornarem obedientes, “podem alcançar a sabedoria, que não é uma aptidão abstrata, mas é obra e dom do Espírito Santo”. Por isso a sabedoria consiste em deixar se guiar pelo Espírito Santo, assim como fez o velho Simeão no momento em que Jesus foi apresentado no templo. Ao tomar o Menino Jesus nos braços, o menino começou a guiar Simeão que se disse realizado por haver visto a salvação que Deus havia preparado para o seu povo.


Muitas comunidades, durante estes dias, fazem memória de Nossa Senhora de Lourdes através de festas nas grutas. Seria desejável que as festividades levassem as pessoas a uma maior imitação de Maria, principalmente no que se refere à obediência à vontade do Pai e ao aprofundamento da sabedoria que leva ao abandono nas mãos de Deus. A obediência deverá levar a um maior comprometimento com os sofredores e a sabedoria apontará o caminho para a salvação. No dizer de Francisco, “não existe obediência sem confiança” e nem “caridade sem transcendência”.


Que o Senhor, por intercessão da Mãe Maria nos conceda os dons da obediência e da sabedoria. Que suscite novas vocações à vida consagrada para testemunharem estes dons em nossa sociedade. E que por intermédio de Nossa Senhora de Lourdes nos conserve em sua paz e conceda a saúde a todos os nossos irmãos enfermos.