Reflexão: Evangelho do dia – Mt 6,1-6.16-18

2

Evangelho – Mt 6,1-6.16-18

E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa.


+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 6,1-6.16-18

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:

1’Ficai atentos

para não praticar a vossa justiça na frente dos homens,

só para serdes vistos por eles.

Caso contrário, não recebereis a recompensa

do vosso Pai que está nos céus.

2Por isso, quando deres esmola,

não toques a trombeta diante de ti,

como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas,

para serem elogiados pelos homens.

Em verdade vos digo:

eles já receberam a sua recompensa.

3Ao contrário, quando deres esmola,

que a tua mão esquerda nóo saiba

o que faz a tua mão direita,

4de modo que, a tua esmola fique oculta.

E o teu Pai, que vê o que está oculto,

te dará a recompensa.

5Quando orardes,

não sejais como os hipócritas,

que gostam de rezar em pé,

nas sinagogas e nas esquinas das praças,

para serem vistos pelos homens.

Em verdade vos digo:

eles já receberam a sua recompensa.

6Ao contrário, quando tu orares,

entra no teu quarto, fecha a porta,

e reza ao teu Pai que está oculto.

E o teu Pai, que vê o que está escondido,

te dará a recompensa.

16Quando jejuardes,

não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas.

Eles desfiguram o rosto,

para que os homens vejam que estão jejuando.

Em verdade vos digo:

Eles já receberam a sua recompensa.

17Tu, porém, quando jejuares,

perfuma a cabeça e lava o rosto,

18para que os homens não vejam

que tu estás jejuando,

mas somente teu Pai, que está oculto.

E o teu Pai, que vê o que está escondido,

te dará a recompensa.

Palavra da Salvação.

Reflexão – Mt 6, 1-6.16-18


O verdadeiro espírito de conversão quaresmal é aquele de quem não busca simplesmente dar uma satisfação de sua vida a outras pessoas para conseguir a sua aprovação e passar assim por um bom religioso, mas sim aquele que encontra a sua motivação no relacionamento com Deus e busca superar as suas imaturidades, suas fraquezas, sua maldade e seu pecado para ter uma vida mais digna da vocação à santidade que é conferida a todas as pessoas com a graça batismal, e busca fazer o bem porque é capaz de ver nas outras pessoas um templo vivo do Altíssimo e servem ao próprio Deus na pessoa do irmão ou da irmã que se encontram feridos na sua dignidade.