Artigo: “Extraordinária. Como sempre”, por Eugênio Furtado

119

Participar da vida na Igreja sempre foi uma constante em minha vida. Desde menino, época em que brincava descalço na Bárbara de Alencar, entre D. Leopoldina e Rodrigues Jr., já frequentava as reuniões do Movimento Gen (Focolares). Passando por grupos e comunidades da Renovação Carismática Católica (RCC), na minha juventude e, por fim, servindo no MESC da capelania do Menino Jesus de Praga, vi e vivi todos os tipos de experiências e sentimentos. Deus encanta pelas várias possibilidades de tocar nossa vida.

Em setembro do ano passado (2022), entretanto, fui convidado a participar do Encontro de Casais com Cristo (ECC) da Paróquia da Glória. Fiquei extremamente encantado com o encontro; eu e minha esposa sentimo-nos acolhidos e com a sensação de que não poderia ter sido feito nada melhor. Em toda minha experiência na Igreja, eu nunca tinha vivido nada semelhante.

O ECC foi, com certeza, um divisor de águas. A partir daí, começamos nosso engajamento nos serviços da Igreja, eu fui para a Pastoral da Comunicação (Pascom) e, logo em seguida, também para a Acolhida, junto com minha esposa. Vivendo e servindo na Igreja, eu pude conhecer, de verdade, a nossa Paróquia. Não dá para amar o que não se conhece. A Paróquia da Glória é viva, pujante, cheia de pessoas em busca da santidade, de exemplos de doação. Ela é um testemunho do amor transformador de Cristo.

A procissão de Nossa Senhora da Glória, encerrando os festejos da Padroeira, demonstrou que nossa paróquia é, realmente, diferenciada. Eu vi os vários movimentos trabalhando juntos e em harmonia: Ministério de Música, Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão (MESC), Acolhida, Pascom, Encontro de Jovens com Cristo (EJC) e Encontro de Casais com Cristo (ECC), Terço dos Homens, integrantes dos grupos de jovens, obra Lumen, Conecta, membros do Grupo de Oração São Miguel, para citar alguns. Eu vi o sorriso franco e largo nas pessoas que serviam e nas que participavam. Eu vi o Espírito Santo agindo em todos. Eu vi pessoas colocando seus dons em comunhão.

Este ano, a procissão saiu do Lago Jacarey

Eu vi casais jovens e maduros de mãos dadas. Vi famílias inteiras, unidas, caminhando e louvando junto as glórias de Maria. Eu vi crianças de colo, tranquilas, sobre os ombros seguros de seus pais. Eu vi a alegria e energia contagiante dos jovens de todas as idades. Eu vi uma confiança nos pastores de nossa Paróquia. Eu vi uma Igreja viva, pulsante, de uma riqueza humana e espiritual inigualável. Eu vi alegria e fé. Eu vi doação. Eu vi uma crença na força intercessora e no cuidado de mãe de Maria Santíssima. Eu vi uma imensa sede de Deus. Eu vi a esperança de um mundo melhor e um amor vivo por Jesus.

A procissão de Nossa Senhora da Glória, assim como a Festa da Padroeira, e também as adorações mensais, as reuniões de grupo, os serviços sociais, os encontrões do ECC… não foi nada diferente, foi extraordinária, como sempre.

Por mais que eu tenha vivido, nunca o bastante, no seio da Igreja, não consigo deixar de me encantar e surpreender com cada evento da Glória. A nossa Paróquia da Glória é, por graça do Pai, realmente, extraordinária.

  • Eugênio Furtado é jornalista e membro da Pastoral da Comunicação
Chegada da procissão da Paróquia da Glória

 

Mirela Alencar, Karla Lopes e Laura Feitosa

 

Frente: Larissa e Lívia Monteiro, Rachel Alencar, Ricardo e Carla Monteiro. Atrás: Zinglio Gabriel, Eugênio Furtado e Arthur Tinini