Alegria: Necessidade de todos os homens

35

 

A alegria é uma experiência do coração humano e fruto da felicidade que ele tanto busca. Esta alegria depende das opções que o homem faz livremente e, mais ainda, do reconhecimento do seu Criador. E de onde vem esta alegria? Podemos dizer que quem busca a felicidade busca a Deus e quem O encontra, encontra a verdadeira felicidade?

“Deus, antes mesmo de manifestar-se pessoalmente a ele [homem] mediante a revelação divina, dispôs a inteligência e o coração da sua criatura para o encontro da alegria, e ao mesmo tempo, da verdade.” Por isso é que dizemos que a sua alegria depende do reconhecimento de Deus como seu Criador, pois se foi Ele quem a dispôs ao coração do homem, somente nele poderemos encontrá-la. Com razão Santo Agostinho, no livro das Confissões, diz: “Por que me criaste para Ti, inquieto estará o meu coração enquanto não repousar em Ti”.

A nossa alegria está em Deus e a cada dia precisamos descobrir e abraçar esta verdade. Não basta apenas reconhecer, não é suficiente saber que Deus existe, é preciso acolhê-lo em nossas vidas. O nosso coração muitas vezes se encontra cheio de planos, e isso não é mal, porém, não podemos esquecer o que diz a Palavra de Deus: “O coração do homem planeja o seu caminho, mas é o Senhor quem firma os seus passos (Pr 16,9). Nunca deveremos esquecer que o Senhor firma nossos passos. Nossos planos somente serão bons se estiverem firmados nele.

Angustiado, triste, amargurado, infeliz e sem sentido estará o nosso coração enquanto não descobrirmos que a alegria verdadeira não está nas coisas passageiras, naquilo que podemos conseguir de imediato ou naquilo que podemos sentir. Aquilo que se consegue com facilidade, facilmente se perde.

A alegria é espiritual

A expressão máxima da felicidade é a alegria. Será que nós cristãos somos felizes? O que tem alegrado a nossa vida? Onde encontramos alegria? Somente nos prazeres? Nas coisas fáceis? Seria possível encontrar alegria no sofrimento? Onde encontraremos resposta para tantas perguntas?

Paulo VI, na sua exortação apostólica sobre a alegria cristã, diz que “esse paradoxo e essa dificuldade em alcançar a alegria tornam-se pungentes de modo especial nos dias de hoje. É essa a razão da nossa mensagem. A sociedade tecnológica teve a possibilidade de multiplicar ocasiões de prazer; no entanto, ela também encontra grandes dificuldades em experimentar alegria. Pois esta provém de outra fonte. A alegria é espiritual. Assim, o dinheiro, o conforto, o bem estar e a segurança material muitas vezes não faltam e, apesar disso, o tédio, o mau humor e a tristeza, infelizmente, continuam sendo a sorte de muitos.

E não raro isto chega ao ponto de tornar-se angústia e desespero, que a aparente ausência de cuidados, o frenesi da felicidade e os paraísos artificiais não conseguem eliminar. Será que o mundo se sente importante para dominar o progresso industrial e para planificar de maneira humana a sociedade? Ou será, talvez, o futuro que se apresenta por demais incerto e a vida humana ameaçada? Ou não se tratará, sobretudo de solidão, de uma sede de amor e de presença não satisfeita, de um vazio mal definido?”.

Como viver a alegria em meio a tantos sofrimentos, desigualdades sociais, em um mundo marcado pela dor, onde os valores morais, até mesmo o direito à vida, se tornam conveniências?

Vida na presença de Deus

Apesar das injustiças e calamidades atuais, sobretudo do sofrimento dos jovens – que com sua pouca idade são forçados pelas circunstâncias a enfrentar um mundo de amarguras e de tristezas – nada nos impedirá de falar e esperar pela alegria que homem algum é capaz de oferecer, da alegria que brota da esperança em um Deus que ama e jamais abandona a sua criatura. Diz o sumo Pontífice: “…pelo contrário, é na infelicidade que as pessoas do nosso tempo precisam conhecer a alegria e ouvir o seu cântico…”. Seria necessário um paciente esforço de educação para aprender ou então reaprender a saborear, simplesmente, as múltiplas alegrias humanas que o Criador coloca, já agora, ao longo dos nossos caminhos: alegria exultante da existência e da vida; alegria do amor honesto e santificado; alegria pacificadora da natureza e do silêncio; alegria por vezes austera do trabalho feito com diligência; alegria e satisfação do dever cumprido; alegria transparente da pureza, do serviço e da partilha; alegria exigente do exercício.

Sou testemunha ocular das dores, sofrimentos e angústias que muitos jovens vivem atualmente. No entanto, quero animá-los e dizer que é possível encontrar esta alegria e comunicá-la com a própria vida a todo cristão e a todo homem que queira afastar-se da amizade com o mundo e com o pecado, motivo de toda tristeza e angústia.

A vida na presença de Deus é plena de alegria, mesmo que comporte grandes sofrimentos. Estes deverão sempre nos lembrar que somos discípulos de Cristo, que diz: “Aquele que quiser me seguir renuncie a si mesmo, tome a cada dia sua cruz e siga-me” (Mt 16,24). Com alegria, corramos ao Seu encontro.

 

Fonte: Shalom.