Brilho no céu no último dia de festa de Nossa Senhora da Glória

92

A luz dos fogos no céu anunciavam a chegada da carreata à Paróquia Nossa Senhora da Glória, neste domingo, 15. Era o encerramento dos festejos do Jubileu de Ouro, exatamente na data que a Igreja celebra Nossa Senhora da Assunção.

O carro de som era seguido por carros e motos, muitos portanto bandeiras com a imagem da Mãe de Deus.

Dentro da igreja, fieis aguardavam pacientemente o início da Santa Missa. Uma delas era Maria de Fátima Guabiraba, presente em todos os onze dias da festa: “Não saberia dizer quais foram os momentos mais importantes. As missas com bispos, arcebispos e sacerdotes maravilhosos, como o padre Josieldo, que não o via há tempos. Foram momentos significativos e fortes. Diante disso, quero parabenizar a Paróquia, ao padre Helano com sua dinâmica, fazendo tudo isso acontecer. Estou muito feliz de ter participado de todos os momentos”.

A entrada da imagem coroada de Nossa Senhora da Glória atraiu a atenção de todos. Sob cantos e salvas de palmas, a imagem foi conduzida pelo corredor central até ao lado altar.

Momento de grande espiritualidade para jovem Luciele Ribeiro, que tinha, sobre a cabeça, um véu branco: “Ler o Ofício de Nossa Senhora, em comunidade, foi uma experiência muito boa para mim, ao longo dos dias de festa. As Missas, cada dia com um padre diferente, foram ótimas. Ontem (sábado), com o bispo, foi maravilhosa”.

Mantendo o distanciamento e os protocolos de higiene e segurança, uma estratégia foi montada para comportar um maior número de devotos de Nossa Senhora, com a abertura da área descoberta do Centro Pastoral. Nele, famílias puderam assistir à Missa, que era transmitida pelas redes sociais da Paróquia e projetada num telão. A transmissão era feita pela equipe da Pastoral da Comunicação.

Servindo como agente da Pastoral da Acolhida, Adelmar Silva era um dos que orientavam aqueles que chegavam ao salão. Saído do EJC (Encontro de Jovens com Cristo) em 2019 direto para ser agente da acolhida, sentia-se emocionado por estar ali: “É uma experiência única servir a Deus através de Maria Santíssima. Chego a ficar sem palavras. Qualquer coisa que eu disser não vai ser suficiente para descrever o que sinto”.

Ao final da homilia, padre Helano, lembrou o dever de honrar Nossa Senhora, como o Próprio Deus faz: “Deus deu a Maria uma grandeza que nós não podemos entender. A imagem de nossa padroeira esta de braços abertos porque ao subir ao Céus, ela já podia ver seu Filho Jesus Cristo; seu esposo, São José e podia também ver toda Santa Igreja, que já tinha um lugar reservado por Deus. Tudo que Nossa Senhora perdeu aqui, ela recebeu infinitamente mais, nos Céus, onde ela está, viva, diante do Pai, do Filho e do Espírito Santo, em adoração. Amém”.

Pascom