Dom Rosalvo destaca a visão do Antigo Testamento sobre a glória de Maria 

3
Dom Rosalvo Cordeiro de Lima, bispo titular da Diocese de Itapipoca-CE

Presidiu a Santa Missa, na Paróquia Nossa Senhora da Glória, por ocasião dos festejos da padroeira, Dom Rosalvo Cordeiro de Lima. A celebração ocorreu na segunda-feira, 8 de agosto, na Igreja Matriz. A convite do Pe. Helano Samy, o bispo da diocese de Itapipoca, no Ceará, integrou a programação litúrgica.

A glória alcançada por Maria foi narrada pelos profetas, nas Sagradas Escrituras, ainda nas leituras do Antigo Testamento, destacou Dom Rosalvo. “Ao celebrar Nossa Senhora da Glória, percebemos na palavra de Deus essa Glória, a glória do Senhor”.

Sobre a primeira leitura, Dom Rosalvo destacou a visão de Ezequiel. O profeta previu o céu e a terra cheios da glória divina. A narrativa, extraída do Antigo Testamento, diz: “No quinto ano do exílio do rei Joaquim–, a palavra do Senhor foi dirigida a Ezequiel, filho do sacerdote Buzi, na terra dos caldeus, junto ao rio Cobar. Foi ali que a mão do Senhor esteve sobre ele.” (Ez 1,2-3)

No decorrer da profecia, surgiu a descrição referente à aparência visível da glória do Pai. “Eu vi que um vento impetuoso vinha do norte, uma grande nuvem envolta em claridade e relâmpagos; no meio brilhava algo como se fosse ouro incandescente. No centro aparecia a figura de quatro seres vivos. Este era o seu aspecto: cada um tinha a figura de homem.” (Ez 1, 4-5)

Dom Rosalvo observou que a simbologia é muito rica. “O ouro incandescente e a figura de quatro seres vivos lembram os quatro cantos da terra, no sentido de totalidade”. Ainda conforme a reflexão do bispo, a mesma simbologia será apresentada no Novo Testamento, com a presença de quatro evangelistas, para narrar a vida de Jesus.

“Da vossa glória estão cheios o céu e a terra”, foi a resposta ao Salmo 148, recitado na Liturgia da Palavra. “E por quê? Porque o Senhor se fez presente e vai resplandecer verdadeiramente”,  explicou o presidente da celebração.

Quanto à ação do Espírito Santo sobre Maria, que se tornou a mãe do Rei da eterna glória; ela, obviamente, se tornou a Rainha do céu e da terra, ressaltou Dom Rosalvo. “Se Ele (o filho) merece a glória do Pai, aquela que O gerou também”.

Mais adiante, o bispo abordou novamente a santidade de Maria, lembrando que foi o próprio Deus que elegeu uma mãe para si. “Por isso a glória de Maria, cheia de graça e do Espírito Santo”.

Dom Rosalvo destacou as provações do caminho da Virgem Santíssima para alcançar a glória eterna. “Maria viu o Filho crucificado e abandonado pelos seus. Mas já sabia que o reinado do Filho seria para sempre. Os apóstolos, porém, ainda não tinham entendido. Vão compreender através de Maria ao pé da cruz, quando ela será dada como mãe da humanidade”, observou Dom Rosalvo. Assim, através da mãe, a Virgem Santíssima e Nossa Senhora da Glória, Jesus preparou os discípulos para pregar o reino dos céus e a plenitude da glória do Pai, concluiu o bispo, para em seguida proceder à profissão de fé prevista no rito litúrgico.

Assista à celebração