Dom Valdemir Vicente preside missa de abertura da Festa da Padroeira

38
Fotos: PASCOM

O bispo auxiliar da arquidiocese de Fortaleza, Dom Valdemir Vicente Andrade Santos, presidiu na última sexta-feira, 5 de agosto, a missa de abertura da festa de Nossa Senhora da Glória, na igreja matriz. Participaram como concelebrantes, o pároco Helano Samy, o diácono Gilson, também da Paróquia; e o padre Douglas, da Paróquia Santa Paula Frassinetti, do bairro Bom Jardim, em Fortaleza.

Durante a homilia, Dom Valdemir Vicente ressaltou o dogma da maternidade divina de Maria. “Sendo (o filho) Jesus uma pessoa com duas naturezas, humana e divina, devemos lembrar que a natureza humana edifica a divina. O Cristo humano não se separa do divino. Se ela (Maria) é mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, é a mãe de Deus”, explicou o bispo, ao detalhar o dogma católico da maternidade divina de Maria, que por sua vez inspirou o tema da festa da Padroeira de 2022, “A mãe de Deus está entre nós”.

A liturgia de sexta, 5 de agosto, que abriu a festa de Nossa Senhora da Glória, é dedicada pelo calendário litúrgico à Basílica de Santa Maria Maior. Uma das sete da cidade de Roma, na Itália, o templo mariano ganhou o título de  Nossa Senhora das Neves, em consequência do milagre da neve durante o verão romano. Dom Valdemir Vicente lembra que após a promulgação do dogma da Santa Maria Mãe de Deus, no Concílio de Éfeso, em 431, a basílica foi ampliada.

Ainda sobre agosto, o bispo observou que o mês é dedicado às vocações no Brasil, sendo cada final de semana destinado a refletir sobre uma missão na Igreja.

Na liturgia do dia, a Primeira Leitura trouxe a profecia de Naum, desacreditada pela população de Nínive. Em consequência, os rios secaram e as privações foram tremendas. Tudo ocorreu não como castigo de Deus, mas em consequência do fechamento daquele povo, explicou o sacerdote. “Os poucos arrependidos foram restaurados. Os corações fechados para a palavra de Deus ficaram angustiados, sem confiança”.

Quanto ao compromisso com a cruz, o sacerdote observou que “conceber o filho de Deus se tornou uma cruz para Maria”. Ela foi perseguida por acatar o caminho da salvação. E não desprezar a missão significa confiar na providência divina, na  santificação e na plenitude em Deus. “Somos chamados a carregar a cruz, na fé cristã católica, com Jesus, a Igreja e Maria Santíssima. Cristãos católicos discípulos não devem se eximir. Deus faz germinar e quem persevera colhe os frutos”, completou.

Ao final da celebração, o pároco Helano Samy agradeceu a presença do Bispo Auxiliar da arquidiocese, ressaltando dom Valdemir Vicente como um “homem de Deus e de estudos”. Na oportunidade, o bispo destacou a dinamicidade e criatividade do Pe. Helano, a receptividade do diácono Gilson e o trabalho comunitário do Pe. Douglas. Finalizou lembrando a importância da oração pelos sacerdotes, para que, sob o olhar materno da Virgem Santíssima, tenham sempre paciência e palavras de conforto para a comunidade.

Assista à celebração