"Como COISA e propriedade vossa"

2

Muita gente conhece e reza a oração de Consagração a Nossa Senhora. Entretanto, é muito comum as pessoas alterarem a oração na parte em que fala “como coisa e propriedade vossa”, para “como filho(a) e propriedade vossa”.


Não imagino o porquê dessa alteração, já que somos criaturas de Deus. Além do que se a oração foi composta desta forma, por qual motivo alterá-la? Particularmente não me sinto menos filho de Deus e de Nossa Senhora, por rezar o “como coisa”; ao contrário, meu sentimento de filiação fica mais forte. Para tentar acabar com essa mania terrível de se alterar a oração, reproduzimos aqui o artigo Como surgiu o canto e a oração da Consagração?, publicado no site da mãe peregrina que explica o sentido original em que foi criada a oração.

Como surgiu o canto e a oração da Consagração?


As citações a seguir foram retirados do livro Viver da Fé, escrito pelo Pe Kentenich: “Essa oração é atribuída a um padre jesuíta, chamado Zuchi. Aos dez anos de idade, perdeu sua mãe. Levado por profundo impulso religioso, raciocinou nestes termos: ‘Não tenho mais mãe terrena. Que farei? Sem mãe não poderei viver. Consagrar-me-ei por isso a Mãe de Deus, far-me-ei total e inteiramente dependente dela’. Compôs a oraçãozinha, escrevendo-a com sangue, é a oraçãozinha conhecida por todos”. (…)


“O Pe Zuchi atingiu idade avançada. Antes de morrer, colocou o ponto final em sua consagração, confessando solenemente o seguinte: esforcei-me para viver esta consagração e com suma gratidão tenho de testemunhar, frente à Mãe de Deus, ter-me Ela livrado, durante toda a vida, do pecado grave. Ela de fato agiu comigo como sua possessão e propriedade. Agora posso partir para a felicidade eterna, para contempla-la e nela ser propriedade de Deus eterno, por toda a eternidade.”


O Pe Kentenich escreveu esse texto baseando-se no livro escrito por Bartoli, que se chama Vita del Pe Nicola Zuchi, na cidade de Napoli, Itália, no ano de 1888.”


******


Como se pode perceber, o Pe. Zuchi se consagrou a Nossa Senhora de tal forma que ele se tornou sua propriedade. Pesquisando no dicionário a palavra propriedade, um dos sentidos encontrados é “o direito pelo qual uma coisa pertence a alguém”. Por sua vez, coisa é algo de que se tem a posse. Ao se declarar de propriedade de Nossa Senhora, o Pe. Zuchi assume a condição de coisa. Filhos de Deus e de Nossa Senhora, todos nós somos, sem necessidade alguma de consagração especial.


O sentido de ‘ser coisa’, presente na oração, está correto e não torna menos digno quem se diz ‘coisa’ de Nossa Senhora. Assim, não há motivo ou justificativa para adulterar a oração original.

Oração de Consagração a Nossa Senhora


Ó minha Senhora, ó minha Mãe, eu me ofereço todo a Vós, e em prova de minha devoção para convosco, eu vos consagro neste dia meus olhos, meus ouvidos, minha boca, meu coração e inteiramente todo o meu ser. E como assim sou vosso, ó incomparável Mãe, guardai-me e, defendei-me como coisa e propriedade vossa. Amém.